É O QUE É. E O QUE NÃO É.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Amanhã escreverei


Geralmente escrevo quando surge alguma inspiração, sem pressão, mas às vezes decido escrever na marra, como agora, pego a caneta ou o teclado e me forço a desenvolver algo. Hoje decidi começar a escrever antes mesmo de definir sobre o que escrever. Alguns escritores profissionais às vezes sofrem em momentos de vazios de ideias. Complicado já que eles precisam escrever - tô repetindo demais essa palavra, escrever, mas nao tô com disposição de revisar, ainda bem que não sou escritor profissional - olha aí de novo, escritor, escrever - - então se eles não tiverem uma boa ideia, terão que usar qualquer ideia. A menos que se trate de um genio - nao acentuei o genio, opa, esqueci de acentuar o nao tambem, opa, agora foi o tambem sem acento, mas que saco ficar acentuando palavras, vou abolir isso, nao acentuo mais daqui pra frente, creio que meus leitores entenderao o texto mesmo assim - ha, “meus leitores”, to falando como se fosse profissional -- mas voltando, a menos que se trate de um genio criativo, o resultado serao textos nem sempre bons. Escrever - de novo, aff- por obrigaçao nao deve ser facil. Ainda bem que nao sou profissional. Mas mesmo nao sendo profissional, como disse as vezes me imponho a obrigaçao de escr... criar algo, para exercitar a mente e nao ficar robotizado demais pela rotina. Bom, ja divaguei demais, vamos para o tema desse texto... que na verdade nao decidi ainda. .............
………………………………………….      …………………………………………...

Nenhuma ideia, nao adianta forçar, hoje definitivamente nao sairá - essa tive que acentuar, pra nao gerar confusao, sairá é diferente de saira… ou nao? Alguns metafisicos podem afirmar que futuro, passado e presente sao um estado apenas, acontecendo ao mesmo tempo, nesse caso poderia ser abolido tambem o acento pra distinguir tempo verbal, mas perai… saira nao existe, teria que ter algum acento, saíra ou sairá… ou não? Muito bem, que fique sem acento e o leitor decida se estamos falando do futuro, do passado, ou de tempo nenhum, leitor tem que ter algum trabalho tambem, muito facil ler um texto todo mastigado, com todos os acentos - mas o é - lembra? o é que usei 6 ou 7 linhas acima - tive que acentuar, acho que esse nao tem escapatoria, pra nao confundir com o e. Mas e se usassemos i ao inves de e no sentido de adiçao ou conectivo? Assim o e teria o sentido apenas de verbo. Boa, farei isso daqui pra frente --- Então, voltando, hoje definitivamente nao saira nada dessa cabeça oca. Prometi a mim mesmo escrever algo i nao escrevi nada, e triste i decepcionante. Mas amanha sem falta escreverei algo. To repetindo o escrever de novo, que saco, que texto repetitivo i chato, i sequer tem um assunto. E dificil o ato de criar. Ainda bem que nao sou profissional.