É O QUE É. E O QUE NÃO É.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Amanhã escreverei


Geralmente escrevo quando surge alguma inspiração, sem pressão, mas às vezes decido escrever na marra, como agora, pego a caneta ou o teclado e me forço a desenvolver algo. Hoje decidi começar a escrever antes mesmo de definir sobre o que escrever. Alguns escritores profissionais às vezes sofrem em momentos de vazios de ideias. Complicado já que eles precisam escrever - tô repetindo demais essa palavra, escrever, mas nao tô com disposição de revisar, ainda bem que não sou escritor profissional - olha aí de novo, escritor, escrever - - então se eles não tiverem uma boa ideia, terão que usar qualquer ideia. A menos que se trate de um genio - nao acentuei o genio, opa, esqueci de acentuar o nao tambem, opa, agora foi o tambem sem acento, mas que saco ficar acentuando palavras, vou abolir isso, nao acentuo mais daqui pra frente, creio que meus leitores entenderao o texto mesmo assim - ha, “meus leitores”, to falando como se fosse profissional -- mas voltando, a menos que se trate de um genio criativo, o resultado serao textos nem sempre bons. Escrever - de novo, aff- por obrigaçao nao deve ser facil. Ainda bem que nao sou profissional. Mas mesmo nao sendo profissional, como disse as vezes me imponho a obrigaçao de escr... criar algo, para exercitar a mente e nao ficar robotizado demais pela rotina. Bom, ja divaguei demais, vamos para o tema desse texto... que na verdade nao decidi ainda. .............
………………………………………….      …………………………………………...

Nenhuma ideia, nao adianta forçar, hoje definitivamente nao sairá - essa tive que acentuar, pra nao gerar confusao, sairá é diferente de saira… ou nao? Alguns metafisicos podem afirmar que futuro, passado e presente sao um estado apenas, acontecendo ao mesmo tempo, nesse caso poderia ser abolido tambem o acento pra distinguir tempo verbal, mas perai… saira nao existe, teria que ter algum acento, saíra ou sairá… ou não? Muito bem, que fique sem acento e o leitor decida se estamos falando do futuro, do passado, ou de tempo nenhum, leitor tem que ter algum trabalho tambem, muito facil ler um texto todo mastigado, com todos os acentos - mas o é - lembra? o é que usei 6 ou 7 linhas acima - tive que acentuar, acho que esse nao tem escapatoria, pra nao confundir com o e. Mas e se usassemos i ao inves de e no sentido de adiçao ou conectivo? Assim o e teria o sentido apenas de verbo. Boa, farei isso daqui pra frente --- Então, voltando, hoje definitivamente nao saira nada dessa cabeça oca. Prometi a mim mesmo escrever algo i nao escrevi nada, e triste i decepcionante. Mas amanha sem falta escreverei algo. To repetindo o escrever de novo, que saco, que texto repetitivo i chato, i sequer tem um assunto. E dificil o ato de criar. Ainda bem que nao sou profissional.

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Aviso Final



Recebi de uma vez os nºs 28, 30 e 31 do histórico AVISO FINAL, sem dúvida um dos zines mais importantes da cena brasileira em todos os tempos. A edição 28 traz entrevistas com as bandas ARD e Futuro, ótima HQ do Zé Colméia e vasta divulgação e resenhas de fanzines, livros e CDS. Na 30 o destaque é a banda Zefirina Bomba, com entrevista e discografia. Completam a edição o tradicional espaço para divulgação e uma furiosa HQ de Julie Albuquerque. O nº 31 é um especial inteiramente dedicado ao DZK, narrando a trajetória da banda desde os anos 80.
Contato: Renato Donisete - avisofinal@gmail.com - www.fotolog.com/aviso_final

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Beije a buceta que te morde


De você
só quero um escarro
bem dado
para guardar
a vida em um quadro.
Vou deixar escorrer
até você sorver.
Temos o dom do tempo
pressa para os fúteis
inúteis aprisionados.
Nada de saliva sem mordida
nada de discursos decorados
nada de sonhos implantados
nada de palavras opacas
nada de esperar anoitecer.
Fiquemos nus em plena tentação do dia
esfregarei minha buceta em sua cara na cara da plateia parva
minha buceta cabeluda e sangrenta
você vai lamber sorrindo até eu dizer para.
Chuva prateada para a turba estupefata.
Minha buceta escancarada na rua indecente esperando quem a rebente
ninguém certamente.
Como se nunca tivessem visto
uma buceta com dentes.
Falos apavorados
clamam a volta da imoral ordem
pensamentos hipócritas o gozo natural
ofendidos agora mas
saudosos no final.

.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Reboco Caído 18 e 19


Recebi os novos números do seminal e fundamental Reboco Caído, sempre criativo e contundente. O 18 foi montado na base da colagem, formato sempre gostoso de ver, pois é a essência original dos fanzines. Ótimas montagens. O 19 apresenta as boas colaborações costumeiras, capa de Gazy Andraus; tira bem sacada de Alexandre Mendes; textos de Ivan Silva, Cleber Araújo, Renata Guadagnin, Renata Machado Setti, Diego El Khouri, Winter Bastos, Murilo Pereira Dias; entrevistas com a banda Sakhet e a escritora Giselle de Andrade; além de mais uma arte foda do talento Solano Gualda. E destacando que o Reboco voltou a ter página na net, agora no tumblr. Recomendável, sempre.

Contato: Fabio Barbosa, fsb1975@yahoo.com.br , http://rebococaido.tumblr.com




quinta-feira, 12 de setembro de 2013

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Quadritos 10 e Nomes 1



Retomando a divulgação de zines, recebi duas obras editadas pelo Marcos Freitas. O QUADRITOS é um zine já com uma boa rodagem, são 26 anos de história. Após uma pausa, volta a ser editado e não é preciso falar muito sobre seu conteúdo, basta citar alguns autores das HQs publicadas neste número 10: Flavio Colin, Flavio Calazans, Joacy Jamys, Gazy Andraus... 40 páginas de alta qualidade. Já o NOMES tem uma interessante proposta, ser inteiramente dedicado a algum grande nome da arte. Neste nº 1, o homenageado é Pier Paolo Pasolini, e quem admira o trabalho do mestre italiano pode pedir correndo esse zine, é uma baita edição, 52 páginas em formatão dissecando vida e obra do diretor de Saló: biografia, filmografia, entrevistas, textos publicados em livros e revistas, até um capítulo de uma dissertação de mestrado. Como se não bastasse, traz ainda uma HQ abordando sua misteriosa morte, escrita pelo Marcos e ilustrada por Luciano Irrthum.



“Primeira tragédia: uma educação única, obrigatória e errada, que nos empurra para uma mesma arena em que temos de ter tudo a todo custo. Nessa arena nós somos empurrados para uma formação de guerra em que alguns carregam canhões e outros, porretes. Aqui nós temos a velha máxima de dar razão para os mais fracos. Mas o que eu estou dizendo é que, de alguma forma, todos são fracos, porque todos são vítimas. E todos são culpados, porque todos estão dispostos a jogar esse jogo assassino da possessão. Todos aprendemos a ter, possuir e destruir.” – Pier Paolo Pasolini

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

MOMENTO METAL

Recentemente em Belo Horizonte aconteceu um encontro histórico entre duas lendas do metal nacional: a banda baiana Mystifier chamou ao palco Wagner Lamounier (que foi apenas um dos líderes e fundadores do seminal Sarcófago) para tocarem o superclássico Nightmare. Vale o registro feito pelo pessoal do Programa Holocausto:


quinta-feira, 15 de agosto de 2013

POESIA NOVA


Outonáceas
Medo Repulsivo De Sentir
O Ódio Tão Puro Amplifica A Primavera
Teorias Quânticas Em Demasia
Versos Bem Dotados
Textos De Livre-Associação Espacial
Murmúrios Viciantes Em Vagas Conexões Neuro-Semânticas
Sócrates Enferniza Platão No Paraíso Dos Descrentes
Sublimação Em Falta
Triste Meio Dos Filhos Da Verdade
Napalm Entre As Refeições
Enamorados Pelo Vicio
Ideias Poliglotas Ruíram Em Bagdá
Brincadeiras Infantis A Caminho Da Alcova
Senso De Direção Perdido
Ciprestes Arredios Conclamados A Minar
Amor Particionado Em Devaneios
Literatura Pós Pós Pós Pós Pós
Pó É Altitude Metafísica
Minotauros Pela Manhã
Crise Sistêmica
Suborno Franciscano Apocaléptico
Apoplexia Dos Encantos Afro-Cibernéticos Congênitos
Engalfinhados Pelo Presságio
Monumento Rompante De Cristalina Oclusão
Defecações Tântricas Em Tomos Circun-Lapidados
Nobres Estandartes Repetidos Em Molho
Curiosa Salva De Ocasiões
Acontecimentos Sem Fortaleza
Simples Preponderância De Argumentos Opacos
Clorofórmio Enzipado Em Balsas
Tulipas Sorridentes
Interesse Nenhum
Antilóquios
Paquidermes
Taxidermistas
Em Massa

- Que foi?
- Estava sonhando.
- Sonho bom?
- Sonhei com palavras.
- Com palavras? Como assim?
- Só isso. Palavras. Algumas deformadas. Outras reinventadas. Em frases oníricas.
- Você tá aloprando, ninguém sonha palavras.
- Foi o que sonhei.
- Ah, volta a dormir.

Não conseguiu mais dormir. Ficou pensando naquele sonho. Eram palavras tão bonitas.

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

DARWIN NEWS


Dois seres orgulhosos, um homem e uma barata, contam vantagens um para o outro:
- Vocês vivem no esgoto - diz o homem - enquanto nós vivemos na superfície.
- Isso não quer dizer nada - retruca a barata - muitos de vocês moram na sarjeta, ao nosso lado.
- Mas nós erguemos grandes construções: casas, prédios, palácios. Vocês não constroem nada.
- E precisamos? Nós simplesmente invadimos o que vocês constroem, e por mais que tentem nos expulsar, continuamos sempre lá.
- Nós temos uma tecnologia maravilhosa, que pode nos transportar facilmente por longas distâncias, e nos trazem conforto e diversão.
- Vocês são dependentes de máquinas, nós não. Alguns de minha espécie, como eu mesmo, desenvolvemos asas e podemos voar livremente.
A barata então agita suas asas e levanta voo.
- Quantos de sua espécie podem voar livremente, sem necessidade dessa tal tecnologia?
A barata sobe e parte, deparecendo no firmamento.

O homem fica.

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

PRESSENTIMENTO


Sempre olho para os lados
Inquieto
Naquela estranha
Expectativa
De que algo
Repentinamente
Irá
Acontecer.



Mas nunca acontece nada.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Gestão sem patrão

O que dizer da Flaskô? Nada a acrescentar, a não ser que é um exemplo a ser seguido por todas as instituições do Brasil, do mundo e do universo.

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Aniversário desperdiçado


Imerso na decadência cósmica
Sei que nada é melhor
O melhor é nada
Mas não consigo e rasgo o que estava perfeito
Ficou tudo bonito por quase um ano neste blog
Um aniversario a ser comemorado
Desperdiçado
Por que somos assim? Egocêntricos e inúteis?

E maculamos tudo com nossas marcas fúteis?

terça-feira, 30 de julho de 2013

terça-feira, 16 de julho de 2013

TOLENADAS

Izandro tinha como hobby criar novos vocábulos.
Chegou a escrever o Dicionário Izandrês de Neologismos.
Um dos mais contundentes desses vocábulos: TOLENADAS.
Significa toneladas de nada.

Ex: o vencedor e suas tolenadas.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

OMNITOTUS


Logo eu, o Grande Sacana.
O Grande Gozador.
O Incrédulo Irresponsável.
Não podia acreditar.
Não fazia sentido.
Quando confirmei que Eu,
 sim, Eu, que
Eu sou Deus,
imediatamente pensei em acabar com tudo. Criação? Não! Chega! Fico sentido por vocês, mas não tem porquê, vamos finalizar! No entanto, não consegui. É estranho. Mesmo não gostando, havia uma ligação, uma conexão indesfeitável. Não podia simplesmente apagar. Se por um lado, a sensação de poder absoluto era muito prazeirosa, logo veio o desconforto. Um surpreendente não querer. Não sei explicar. Logo Eu, Deus, que deveria saber. Se tudo posso, nada tenho? Será? É confuso, misterioso e grandioso. Eu de fato sei, mas não quero saber, vou fingir e apenas continuar. Já que posso, vou me enganar e continuar. Continuar. Continuar. Desse jeito mesmo, eu. Compromissado apenas em nunca chegar.


Pensando bem, faz todo sentido.